domingo, 28 de junho de 2009

Como se explica um aumento da conta da água de 40%?

Alguém já reparou que a conta da água em Espinho cresceu cerca de 40% em 2009 versus 2008? Alguém percebe a conta da água que nos chega mensalmente?

Pois é verdade, a conta da água aumentou 40% em 2009... onde estará o "truque"?

A conta da água em Espinho era bimensal, e contemplava uma leitura no mesmo período por um dos muitos, demasiados, colaboradores que têm emprego na CME (são tantos que dificilmente há trabalho para todos, ficam pelo emprego).
Em 2009 a factura passou a ser mensal e deduzimos que seria para ocupar os empregados disponíveis, ou melhor ainda, para que nós, clientes destes organismos, conseguíssemos ler melhor a conta da água e assim melhorarmos o nosso consumo (perspectiva muito abonatória, pois nunca somos tratados como clientes numa CM, somos sempre um problema, alguém que pode interromper a rotina dos assalariados municipais).

Pois estas ideias foram completamente frustradas pelo tipo de documento que passamos a receber...

Além de longos no número de linhas apresentados, com débitos e créditos constantes, a factura/recibo da água tem o único propósito de nos cobrar taxas e mais taxas, baralhando o cliente com linhas sobre consumos reais e estimados anteriormente cobrados.

Em resumo, 2 pessoas que pagavam em 2008 cerca de 35 euros em média por mês, pagam em 2009 uma média de 50 euros mensais, dos quais 20 euros é produto (água) e 30 euros serviço (Saneamento Fixo, Saneamento Variável, Tarifa Utilização, Tarifa Disponibilidade, Disponibilidade Resíduos, Resíduos Sólidos).

Ora se pagamos assim tanto por um serviço precisamos perceber a que diz respeito cada uma das rubricas, e qual o expectável serviço proporcionado por cada uma delas:

i. Saneamento Fixo - o que é isto?! termos instalação de saneamento?!
ii. Saneamento Variável - se ele existe é fixo, a sua conservação é fixa, porquê pagar 2 vezes?
iii. Tarifa de Disponibilidade - um novo nome para um valor antigo (aluguer do contador), que pretende apenas "fintar" a lei que proíbe a cobrança do aluguer do contador, pois é imperativo a colocação do mesmo para o serviço ser medido e cobrado. É urgente reclamarmos a eliminação desta parcela de custo.
iv. Tarifa de Utilização - se pagamos a água, e temos um dos mais elevados valores por m3 de água do país, porque vamos pagar uma taxa pelo seu consumo. Trata-se claramente de uma parcela a eliminar pois é claramente abusiva.
v. Disponibilidade de Resíduos - o que é isto? Será que estamos a pagar pela 3ª vez o saneamento?!
vi. Resíduos Sólidos - talvez o único destes 6 que faça algum sentido, mas que urge reduzir, privatizando a operação de recolha de resíduos sólidos urbanos. Já algumas cidades, muitas mesmo, o fizeram, transferindo todos os trabalhados associados à actividade para o operador privado e definindo metas de redução de custos anualmente.

Mais estranho é que depois se consigam facilmente registar zonas nobres da cidade que anualmente estão privadas de água mais do que 6 a 7 dias por ano... e a única coisa que o piquete de 6 pessoas, em que 1 trabalha (já não seria muito mau se em todos os serviços este fosse o rácio), faz é adiar o atendimento telefónico refugiando-se num atendedor automático de chamadas até entrarem em horário extraordinário e aí tapar o furo que impede o fornecimento de água e desaparece para as oficinas municipais à espera que nos dias seguintes volte a suceder... senão ainda perdem o emprego...

Outro fenómeno difícil de entender quando os recursos humanos e materiais são abundantes é o nível de acabamento que as intervenções municipais apresentam. Alguém já reparou no cuidado que existiu em destruir o desenho do empedrado, calçada portuguesa, na rua 19, junto à rua 18?! Mais do que incompetência também estamos recheados de mau gosto e desrespeito...

Espinhenses, é também por estas vias que podemos por ordem nesta nossa terra, exijamos seriedade e rigor nos custos que nos apresentam, reivindiquemos qualidade do serviço prestado, ordenemos a redução dos excedentários, normalmente partidários, e lutemos até à exaustão pela aplicação de princípios de produtividade na gestão dos recursos que colocamos à disposição dos autarcas...

Mais e Melhor Espinho...

6 comentários:

sardinha pequenina disse...

sim, já reparei que a conta da água aumentou de forma violenta. e concordo com o que defende. tenho apenas as seguintes perguntas:

Como e onde devemos exigir seriedade e rigor nos custos, como e onde devemos reivindicar qualidade do serviço prestado?

cumprimentos,

sardinha pequenina disse...

fui verificar porque fiquei a pensar no assunto. em comparação com os primeiros 6 meses de 2008 paguei mais 30€ e as rubricas que são facturadas são as mesmas. portanto, retiro o que disse no comentário anterior.

Creio que poderiam vir informações na factura que permitissem ao cidadão perceber melhor o que é que está a pagar, isso sim.

Mais e Melhor Espinho disse...

E quanto representam esses 30 euros em termos percentuais? Na análise realizada o excedente foi de 90 euros em 6 meses para as mesmas pessoas, sem alteração do estilo de vida.
O problema agrava-se porque entretanto saiu legislação que aboliu o pagamento de aluguer de contador, por exemplo..

Quanto a exigir, é muito simples.
Basta uma atitude descomplexada e acima de tudo descomprometida com o compadrio, exigindo um atendimento simpático, célere, eficaz e eficiente... se tal não suceder é preciso não ter medo de escrever no livro de reclamações que todos os serviços públicos têm.

Por outro lado, sempre que faltar a água, ou apenas baixar a pressão é fundamental ligar para os piquetes e escrever para os serviços camarários, pois talvez só assim as teóricas chefias comecem a exigir resultados das suas equipas.

Outra forma de colocar pressão é, por exemplo, exigir informação nas Assembleias Municipais sobre o consumo de água da cidade, em m3 versus anos anteriores e os valores cobrados... um outro indicador interessante, mas isso para quem quiser ser um verdadeiro responsável por este pelouro, é o racio de água vendida versus a água comprada pelo municipio de Espinho... talvez assim as equipas de manutenção ocupassem os dias a eliminar fugas e a resolver os problemas que afectam a rede municipal...

A melhor forma de começar a exigir é, em vez de criticarmos, questionarmos... e voltarmos a questionar... até incomodarmos o suficiente para implicarmos acção...

sardinha pequenina disse...

recorda-se que em junho do ano passado a cobrança da água ainda era bimensal? pois, se eu dividir a factura de julho em 2 e então comparar os primeiros 6 meses do ano passado com os deste ano, o aumento que observo é de 4%.

quanto ao restante,não posso estar mais de acordo. devemos exigir dos serviços autárquicos (não só da água e do saneamento) qualidade e melhor serviço. quando assim não for, devemos utilizar as formas que nos são disponibilizadas para manifestar o nosso desagrado.

cumprimentos

Motinha das Viagens disse...

O que eu acho é que quando uns incompetentes gerem uma cidade como Espinho, no final resulta no que está à vista de todos.
Uma cidade morta, com cada vez mais jovens como eu que saiem e não querem voltar mais. Eu mudei-me para o lado (Gaia) e já lá tenho 2 casas. Não pretendo voltar a espinho para Habitar. Visito alguns colegas que ainda resistem por lá (em casa dos papás) mas dá-me nojo ver no que Espinho se tornou. Se eu fosse algums desses politicos tipo o Mota e companhia lda, tinha vergonha na cara de ser tão incompetente.

Anónimo disse...

Se a factura da água deixou de ser bimensal e passou a ser mensal, porque é que a sua contagem (feita por funcionários da camara)só é feita de dois em dois meses? Porque é que pago "hoje" e no mês seguinte "devolvem-me"o valor pago mas em contra partida passo a pagar mais porque juntando os dois meses: pago o consumo água (0-5); consumo água (5-10); consumo água(10-20),fazendo com que o valor unitário desta ultima parcela passe de 0.48 para 1.63 o m cubico. Assim, como não sou funcionária da camara não tenho que levar de "mão beijada" a minha contagem mensal, nem tenho tão pouco de pagar uma chamada telefónica (porque esta não é de graça como na EDP) para dar a contagem.Se todos os dias tenho de levar o meu lixo para o contentor mais proximo porque tenho de pagar tanta TAXA? A taxa aplicada aos moradores e comerciantes da nossa "nobre e pobre" rua 19 é mais CARA? olhando á "badalhoquice" porta sim porta não deve de ser. Que mal está ESPINHO! TRISTE E PORCO ALÉM DE oportunismos baratos...!